Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

30.11.22

Os nossos contos de Natal - 2022

O 4° ano de desafio natalício


imsilva

20221128_201614.jpg

Lembram-se como se faz?

Pega-se num lápis, numa esferográfica, numa caneta de tinta permanente, num pincel ou num pedaço de giz, e escrevem-se palavras numa folha de papel ou onde muito bem entenderem, formando assim palavras e frases que contem uma história natalícia.

Fácil, não é?

Independentemente do que aconteceu às histórias dos anos anteriores, a edição em livro, sabem que o que me motiva a ser chata todos os anos quando vos peço que escrevam estes contos, é o gozo de ler o que cada um tem para contar, imaginar, recriar, enfim, a criatividade que sai dos vossos escritos.

Portanto, vamos ao trabalho, lápis afiados, resmas de papel a postos, carga de computador cheia e vamos escrever como se não houvesse amanhã. As regras são as de sempre, escrevam o nº de palavras que quiserem, publiquem quando quiserem, desde que seja neste mês de Dezembro que agora vai começar (sim, não é o do ano que vem). Façam o link para o meu blog e com a tag "o meu conto de natal".

Sem mais me despeço, desejando a todos uma óptima escrita neste novo (velho) desafio.

 

28.11.22

Convite a contistas e não só!


imsilva

convite contos de natal 22-01.png

Eis o mais desejado, o mais bonito dos livros de Natal, e todos vocês têm a sorte de estar convidados para o seu lançamento. Será, como diz o convite, no dia 3 de Dezembro, na biblioteca da Casa da Cultura da Ericeira às 11 horas da manhã.

É um encontro muito desejado, já temos algumas confirmações, e algumas indecisões devido a outros afazeres que se impõem. Também sabemos de quem, com muita pena, não poderá estar presente, mas sabemos que contaremos com o seu apoio, mesmo à distância.

É com emoção que escrevo este post, assim como também será emocionante a manhã de dia 3. 

Claro que a seu tempo deixaremos por aqui testemunho de tudo o que acontecer naquela biblioteca, e de tudo o que aconteça a seguir, porque um encontro destes não poderá acontecer simplesmente, tem que ser especial e ficar nos anais da história de quem puder participar.

Já sabem quem são os incansáveis mentores deste maravilhoso projecto, Olga C. Pinto,  José da Xã e eu própria que vou dando um jeitinho.

Vão pensando no assunto e vendo a disponibilidade para um passeio até à Ericeira, onde dizem que o mar é mais azul (coisa que eu confirmo).

28.11.22

A viagem não acaba nunca. (Saramago)


imsilva

FB_IMG_1669625371413.jpg

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

(José Saramago-)

25.11.22

Novidades com cheirinho a Natal


imsilva

capa contos natal - final cm editora-01.png

 

Como podem ver, e graças ao vosso trabalho de escrita, temos novos contos num novo volume dos "Contos de Natal", e como podem apreciar a capa está lindíssima. No mesmo estilo do ano passado, requintada e feliz.

Ao contrário do ano passado, este ano gostaríamos de abrir a apresentação do livro a todos os que quiserem, e para isso informamos que será no dia 3 de Dezembro na Ericeira. Provavelmente na terça-feira, daremos as coordenadas de sítio e hora.

Quem tiver a coragem de aparecer vai ser agraciado com amor e carinho a rodos, se querem saber o que isso é, têm que aparecer...

Como devem de calcular o nosso (Olga C. Pinto, José da Xã, e eu) orgulho é enorme e gostaríamos muito de partilhá-lo convosco.

Já vos deixei com a água na boca, agora é esperar por mais detalhes para acertarem o vosso passeio à linda vila da Ericeira (eu já lá estive e é muito bonita).

 

23.11.22

O que vai no meu pensamento

52 semanas de 2022 / 47


imsilva

122d1205ae5e70d13741605617ceb03f.jpg

 

Não sei se haverá espaço para tudo o que me vai no pensamento.

O ano de 2022 tem sido profícuo em pensamentos ( qual não é?). Têm sido meses turbulentos e preocupantes, onde os pensamentos têm estado com os mais velhos. A morte da minha mãe e os cuidados com o meu pai têm sido os seus protagonistas.

A nossa vida anda, tropeça, embrulha-se e desembrulha-se por dá cá aquela palha, e o nosso cérebro não descansa, não tira férias, os pensamentos atropelam-se e discutem como se não houvesse amanhã. E nós vamos pensando como digerir e dirigir os mil e um assuntos que se nos deparam diariamente.

Mas...felizmente, por vezes aparecem coisinhas boas, que nos dão alento e confiança para andarmos para a frente, onde os pensamentos são dos melhores, fofinhos e muito agradáveis.  Agora ficaram a querer saber quais são, e eu vou dizer, mas não hoje. Quem sabe sexta-feira já consigo desvendar a coisa? 

 

Participação no desafio da Ana de Deus

21.11.22

Solidão de Saramago


imsilva

FB_IMG_1668713857800.jpg

Ora, a solidão, ainda vai ter de aprender muito para saber o que isso é, Sempre vivi só, Também eu, mas a solidão não é viver só, a solidão é não sermos capazes de fazer companhia a alguém ou a alguma coisa que está dentro de nós, a solidão não é uma árvore no meio duma planície onde só ela esteja, é a distância entre a seiva profunda e a casca, entre a folha e a raiz, Você está a tresvariar, tudo quanto menciona está ligado entre si, aí não há nenhuma solidão, Deixemos a árvore, olhe para dentro de si e veja a solidão, Como disse o outro, solitário andar por entre a gente, Pior do que isso, solitário estar onde nem nós próprios estamos.

José Saramago, "O Ano da Morte de Ricardo Reis"
Pintura de Sergio Clemente

Biblioteca Municipal de Beja - José Saramago

18.11.22

O que amo em mim mesma

52 semanas de 2022 / 46


imsilva

cc81a588f94151e2ac1157133296fc52.jpg

 

Então agora querem que nos elogiemos???

Não sei se a modéstia será suficiente para podermos ser sinceras  .

Agora a sério, vou tentar!

Gosto de ser pragmática, há quem diga "chata".

Gosto do meu bom senso, há quem diga "chata".

Gostaria de amar a minha teimosia (mas não amo), há quem diga "chata".

Amo o meu espírito, o meu carácter, a minha personalidade e não me interessa que me digam "chata"! 

 

Participação no desafio da Ana de Deus

 

16.11.22

600 posts depois...

...aqui estou eu


imsilva

20221115_123544.jpg

Post nº 600!!!

Quantas palavras estão confortavelmente instaladas neste blogue!

Aqui neste blogue, nascido quase, quase, quase há 4 anos, despejei sentimentos, emoções e opiniões.

Descobri uma criatividade que desconhecia nos desafios a que respondi, e que tanto me ensinaram, sempre com o medo de não saber se conseguiria. No final ficou o orgulho do que foi conseguido.

Escrevi palavras minhas e partilhei palavras de outros, escrevi histórias a duas mãos com o meu neto, desafiei a escreverem sobre os "cinquentas", desafiei para que escrevessem "Contos de Natal" o que deu frutos maravilhosos e livros editados, e mostrei a vulnerabilidade da minha adolescência, nos poemas que publiquei em Janeiro de 2020. 

Escrevendo ao meu ritmo, 2 ou 3 vezes por semana, também publiquei diariamente quando assim foi preciso. Em Abril de 2020 publiquei todos os dias uma foto no "Desafio das flores" e em Dezembro de 2020 publiquei todos os dias um postal de Natal antigo.

Homenageei os dias marcados no calendário, com o respeito e carinho que mereciam, os que não me dizem nada, não mereceram.

Resumindo e concluindo, este blogue tem sido o meu porto de abrigo e muitas, muitas vezes o meu diário de bordo, aqui estão esparramados dramas, comédias e momentos importantes da minha vida.

Agradeço a todos os que me têm acompanhado, muitos já estão no meu coração, alguns já fazem parte do núcleo das amizades, e prevejo que esse número vai aumentar ao longo do tempo.

Espero continuar neste cantinho à beira net plantado onde tão bem me sinto, enquanto me deixarem, continuando a despejar sentimentos, emoções e opiniões, até que a alma me doa, sempre ao vosso lado.