Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

30.04.21

O amor...sempre.


imsilva

579e93a3a1b36d4af5c4c5fbdff42f1c.jpg

Esta não é uma história triste, é uma história de amor totalmente dedicada à nossa abelhinha, em mais um desafio que lançou. 

Para ti abelhinha Ana.

 

Quando a Lídia completou um aninho, recebeu uma gatinha Scottish.

E as duas cresceram lado a lado. A gatinha seguia a criança para todo o lado, e apesar dos esforços dos pais para que o animal dormisse na sua própria cama, era escusado, dormir era na cama da Lídia.

Ao longo de 18 anos o amor cresceu e quando Lídia foi para a faculdade, a gata quase que deixou de comer, valia-lhe os fins de semana em que a dona voltava para casa.

18 anos para um gato é já uma vida longa e o fim teria de chegar.

Depois de uma semana em que notoriamente a gata não estava bem, em que o veterinário já nada mais podia fazer por ela, chegou o fim de semana e com ele a volta de Lídia a casa.

Quando se apercebeu do estado da sua gatinha, ficou desolada e tentou que ficasse o mais cómoda possível.

A gatinha acabou por morrer nos braços da sua dona, da sua amiga, com quem tinha passado todos aqueles anos.

Ao perceber que a gata já não respirava, Lídia pôs a mão na boca para calar o grito que a sua alma queria soltar. Por mais que soubesse que estava prestes a acontecer, não se sentiu preparada. Mas Lídia sabia que a sua gata tinha sido amada e bem tratada todos aqueles anos. Restava-lhe infinitas e bonitas recordações, nada mais podia pedir.

 

27.04.21

As palavras de Whitman


imsilva

FB_IMG_1616764138183.jpg

"Não deixes que termine o dia sem teres crescido um pouco,
sem teres sido feliz, sem teres aumentado os teus sonhos.
Não te deixes vencer pelo desalento.
Não permitas que alguém retire o direito de te expressares,
que é quase um dever.
Não abandones as ânsias de fazer da tua vida algo extraordinário.
Não deixes de acreditar que as palavras e a poesia podem mudar o mundo.
Aconteça o que acontecer a nossa essência ficará intacta.
Somos seres cheios de paixão.
A vida é deserto e oásis.
Derruba-nos, ensina-nos, converte-nos em protagonistas de nossa própria história.
Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua:
tu podes tocar uma estrofe.
Não deixes nunca de sonhar, porque os sonhos tornam o homem livre."

Walt Whitman  1819 - 1892

25.04.21

25 de Abril por José Fanha


imsilva

FB_IMG_1619261637535.jpg

" O grande símbolo do 25 de abril, é o cravo. E que melhor símbolo para uma revolução pacífica do que esta linda flor que, ainda por cima, é vermelha e verde, as cores da bandeira nacional? O que talvez nem toda a gente saiba é a origem dos cravos colocados no cano das armas dos soldados que fizeram o 25 de abril.
A história é bonita e simples:
Uma senhora trabalhava numa empresa que ia comemorar um ano de atividade no dia 25 de abril. Tinham-na mandado comprar muitos cravos para a festa de aniversário. Nesse mesmo dia, pela manhã, quando a senhora chegou à empresa, já a revolução estava na rua e os patrões disseram-lhe para levar os cravos, pois, se ficassem ali, murchavam.
A senhora trouxe consigo um grande molho de cravos e, quando encontrou os chaimites a subir para o Carmo, perguntou a um soldado:
- Vocês estão aqui a fazer o quê?
Eles explicaram que iam prender o Marcelo Caetano.
E um soldado perguntou:
- A senhora, não tem um cigarrinho?
- Não tenho cigarros, mas tenho cravos - disse a senhora.
E foi dando os cravos aos soldados, que os puseram nos canos das armas. Depois, disso, muitos cravos apareceram.
Muita gente foi buscar cravos e os soldados ficavam todos felizes por trazerem o sinal de alegria na lapela. E no cano das armas. "

José Fanha. Era uma vez o 25 de abril.
Abigail Ascenso - ilustração 

22.04.21

A nossa Mãe Terra


imsilva

e6efb28e12302d78ee7baa8ff55d29e6.jpg

 

E era o silêncio

Até que acordou, e com ela toda a Natureza

As flores abriram as pálpebras e espreguiçaram-se

As àrvores sacudiram os seus belos e frondosos braços

As águas gargalharam e fizeram corridas pelos carreiros e rios,

até chegarem aos mares 

Os animais saíram das tocas e esconderijos e cheiraram os ares 

Todos brindaram à mãe Terra que tão bem os cuidava

E os cheiros eram maravilhosos

Cheirava a terra molhada depois de as nuvens terem oferecido a sua água

Cheirava a perfumes saídos de toda a flora que por ali crescia

E o sol fez a sua aparição e brindou com o seu calor

todo o colorido manto que avistava lá de cima,

no seu posto de rei 

Tudo estava bem no reino da Mãe Terra

21.04.21

Desafio das flores 2020


imsilva

Há um ano atrás, alguns de nós aderimos ao desafio das flores para comemorar a Primavera. Todos os dias durante o mês de Abril, publiquei uma fotografia de flores. Como estavamos a passar pelo 1º confinamento, aproveitei para passear e roubar imagens de várias flores alheias.

Aqui vou relembrar algumas delas.

20200626_093306.jpg

20200424_161632.jpg

20200424_144300.jpg

20200422_124136.jpg

20200219_135611.jpg

20200410_152107.jpg

Que seja um dia florido para todos. 🥀

20.04.21

A ilha de José Jorge Letria


imsilva

FB_IMG_1616674797640.jpg

"Um velho poeta sem abrigo, daqueles que passeiam os versos entre canteiros de jardins tristes enquanto dão migalhas de pão aos pardais, ao ser perguntado sobre a existência da Ilha das Palavras, disse-me:
-Todos os poetas já a visitaram, pelo menos em sonhos.
-Mas se essa Ilha das Palavras realmente existe, onde é que fica?
-Mesmo que eu tivesse um mapa aqui à mão, teria muita dificuldade em responder-te, porque essa Ilha, sendo feita só de palavras , existe no mar da imaginação, no centro do Arquipélago das coisas sem nome.
- Eu próprio me tornei poeta depois dessa viagem e nunca mais deixei de o ser, porque um poeta nunca deixa de ser poeta, do mesmo modo que um anjo nunca deixa de ser anjo e uma ave do paraíso nunca deixa de ser uma ave do paraíso".

José Jorge Letria, A Ilha das Palavras.

16.04.21

O Colar


imsilva

20210415_153941.jpg

 

O colar de pérolas

Olhou para a caixa de veludo azul que se encontrava em cima da mesa, e as recordações assaltaram-na.

Recordou o dia em que o marido lha tinha oferecido, o dia em que tinha chegado a casa com a filha ao colo, acabadas de chegar da maternidade.

Recordou as várias ocasiões felizes em que o tinha usado. Festas de aniversário, de Natal, no casamento dos filhos e sempre que lhe apetecia sentir a maciez e a frescura das suas pedras. 

Tinha sido uma vida feliz, tal como essas ocasiões. Não se podia queixar. Talvez só do facto de ter ficado sozinha cedo demais, sem poder usufruir do amor do seu companheiro até ao fim da sua vida, ele tinha partido primeiro.

Sentindo o aconchego que todas essas memórias lhe tinham trazido, levantou-se e vestindo o seu bonito casaco branco de caxemira, pegou na caixa de veludo azul e saiu de casa.

Conduzindo o seu pequeno e fiel automóvel, dirigiu-se a casa da filha. Quando entrou, foi recebida pela euforia e movimentação que lá reinava, o que não era de estranhar, já que o dia assim o exigia.

As netas vieram ao seu encontro e deram-lhe um rápido beijo e correram escadas acima.

Um serviço de catering preparava as mesas com acepipes e aperitivos para todos os gostos, destinados aos convidados que em breve chegariam.

Quando encontrou a filha, esta recebeu-a com um abraço e juntas subiram as escadas até ao quarto de Leonor, a sua neta mais velha.

Ao chegarem lá, os olhos da avó vidraram-se e ficou sem palavras. Leonor estava belíssima com o seu vestido branco de renda, que na sua simplicidade, brilhava mais que qualquer vestido de princesa.

Avó e neta abraçaram-se já com as lágrimas a cair, e a senhora mais velha abriu a sua mala e retirou de lá a caixa de veludo azul. Abrindo-a, tirou o colar de pérolas que a tinha acompanhado grande parte da sua vida, e colocou-o à volta do pescoço da neta. - É para ti meu amor. Que vivas com ele momentos tão felizes como eu vivi.

Leonor virou-se para o espelho, e delicadamente tocou naquelas pérolas que tantas vezes vira no pescoço da avó.

E através do espelho, trocou olhares com aquela pessoa que sempre tinha tido ao seu lado, a apoiá-la em tantos momentos durante a sua curta vida, e não foram precisas palavras.

15.04.21

Parabéns!


imsilva

20210411_231808.jpg

Nunca me apanharam a comentar programas de entretenimento ou concursos televisivos, mas desta vez tem que ser.

Passei pelo "The voice kids" há 2 semanas atrás, e fiquei fan. As vozes daqueles miúdos são qualquer coisa de impressionante, e o sofrimento de ter que afastar algum deles é tremendo. de tal maneira que não sei se tenho coragem de ver a final este fim de semana. Tanto as vozes como as canções são fantásticas, e torna-se cruel ter de escolher só um, todos eles mereciam um 1º lugar.

Por outro lado é maravilhoso saber que temos tanto talento latente, pronto a dar frutos no futuro, e com provas dadas de bom gosto musical.

Pobres mentores que choram baba e ranho cada vez que têm de fazer uma escolha, têm toda a minha solidariedade. 

Não posso dizer que vença o melhor, porque todos são "os melhores" neste momento, mas digo que não devem desistir, e desejo que todos consigam levar os seus sonhos em frente.

Pág. 1/2