Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

Setembro 29, 2021

imsilva

22161917_vK1uq.jpeg.jpg

"O Grito" de Edvard Munch

 

Estava preso na garganta, no pensamento, no mais recôndito do seu ser, do seu subconsciente. 

Queria soltar-se, queria largar-se pelo mundo mas estava preso. 

Preso às convenções, preso às boas maneiras e à boa imagem de quem nada sofre, preso à ideia de que ninguém esperava isso dele.

Mas, quando já era impossível retê-lo, quando o soltou, o espírito também gritou e acabou a sorber o ar com sofreguidão, como se há muito lhe faltasse.

E com este grito, as pedras estremeceram, os pássaros silenciaram, o vento cessou... e o mundo chorou.

 

Texto no âmbito do desafio da Fátima Bento

 

 

 

Setembro 24, 2021

imsilva

FB_IMG_1629673493509.jpg

O SONO E O SONHO

A noite tem dois filhos: um chamado Sono e outro chamado Sonho. Gosta, quando o tempo está frio, de os agasalhar debaixo do manto de veludo negro que, umas vezes enfeita com estrelas brilhantes e, outras, com nuvens carrancudas.

O Sono e o Sonho, como todos os irmãos, têm as suas brigas e aborrecimentos. E porquê? Ora, por tantas razões! Mas a principal é esta: é que o Sono gosta de dormir a bom dormir e o Sonho tem o hábito de aparecer pelo meio a meter-lhe fantasias na cabeça.

Quando isso acontece, a mãe, que gosta que a tratem apenas por Noite, sem dona nem senhora atrás do nome, aparece, faz uma festa na cabeça de cada um, dá razão aos dois e depois aconselha:

- Agora vamos dormir, porque amanhã é dia de trabalho.

De quem os dois irmãos não gostam nada é de um primo que têm chamado Pesadelo, porque é feio, irritante e tem o costume de contar histórias de arrepiar que deixam os dois muito trémulos debaixo do manto da Noite.

Um dia destes, o Sono e o Sonho decidiram fazer uma partida ao primo Pesadelo. Sabem como? Fingiram que estavam a dormir muito descansados e deixaram-no aproximar-se. Quando ele se preparava para lhes contar uma daquelas histórias de pôr os cabelos em pé, saltaram os dois da cama com lençóis brancos na cabeça, mascarados de fantasmas e pregaram um tremendo susto ao primo mal encarado que passou muitos meses sem aparecer.

Nesse dia, a Noite cobriu-se com o seu manto de estrelas brilhantes e dormiu até de manhã com os dois filhos enroscados e felizes a seu lado.

José Jorge Letria. In. Histórias do sono e do sonho. Ilustração Justine Brax

Setembro 22, 2021

imsilva

22158801_LO9Do.jpeg.jpg

Stary night de Vincent Van Gogh.

 

Quando a 1º estrela apareceu, ela deu o 1º grito. a partir daí, as dores foram sempre aumentando até sentir que não aguantaria mais.

Entretanto, no céu, mais estrelas iam ocupando o seu lugar.

Quando sentiu que o seu corpo se desgarrava, fechou os olhos e deixou de sentir ou pensar por milésimos de segundo, para imediatamente se encontrar noutra dimensão, onde uma paz prevalecia.

Pacificamente abriu os olhos, para descobrir o milagre da vida. Um pequenino ser que respirava por 1º vez com os seus próprios pulmões, e que se lembrou de constestar a viajem que tinha acabado de fazer, exigindo tudo a que tinha direito.

Nesse momento, o céu estava já repleto de estrelas.

 

Texto no âmbito do desafio da  Fátima Bento.

Setembro 17, 2021

imsilva

20200908_201209.jpg

Tu és a esperança, a madrugada.
Nasceste nas tardes de Setembro,
quando a luz é perfeita e mais doirada,
e há uma fonte crescendo no silêncio
da boca mais sombria e mais fechada.

Para ti criei palavras sem sentido,
inventei brumas, lagos densos,
e deixei no ar braços suspensos
ao encontro da luz que anda contigo.

Tu és a esperança onde deponho
Meus versos que não podem ser mais nada.
Esperança minha, onde meus olhos bebem,
fundo, como quem bebe a madrugada.

Eugénio de Andrade 
In "As Mãos e os Frutos"

Setembro 15, 2021

imsilva

22154658_bkWqE.jpeg.jpg

 "A Grande Onda de Kanagawa" de Katsushika Hokusai

 

Enfurecido, tentaste mostrar a força, o tamanho e o poder que a água te confere.

Assustaste alguns incautos desprevenidos que te menosprezaram, e que contigo nessa fúria não contavam.

Mas ao fim de um tempo, ficaste cansado e acalmaste. Ficaste mansinho, arrulhaste e tal como um espelho, reflectiste as brancas nuvens que te passavam por cima, e o sol que espreitava e que nas tuas plácidas águas dardejava.

Sabes uma coisa? Consegues ser grandioso das duas maneiras.

 

Texto no âmbito do desafio da Fátima Bento que nos quer a escrever a todos, e desta vez sobre quadros.                             Até para a semana!

 

Setembro 10, 2021

imsilva

28a778cb970e6dd2cb5953d4eef41e38.jpg

 

Os múrmurios são tantos, surgindo de poços sem fundo

As vozes incomodas e sujas como as almas suspensas

O calor alaga os poros e os pensamentos derretem em líquido viscoso

Os movimentos são autónomos e incompreensíveis

O chão que pisamos vai e vem e por vezes desaparece, assustando-nos

O que somos? o que parecemos? o que será que queremos ser?

E é quando os múrmurios gritam e se exaltam

que realmente começamos a ouvir

Nós não somos, nós não parecemos

nós só queríamos ser...

Setembro 08, 2021

imsilva

FB_IMG_1628865847186.jpg

Meu pai, dá-me os teus velhos sapatos manchados de terra
Dá-me o teu antigo paletó sujo de ventos e de chuvas
Dá-me o imemorial chapéu com que cobrias a tua paciência
E os misteriosos papéis em que teus versos inscreveste.

Meu pai, dá-me a tua pequena chave das grandes portas
Dá-me a tua lamparina de rolha, estranha bailarina das insônias
Meu pai, dá-me os teus velhos sapatos.

Vinicius de Moraes. Meu Pai
Pintura, VAN GOGH

Setembro 03, 2021

imsilva

Quero escrever uma carta, uma nota, um decreto, um recado, um simples bilhete.

Qualquer coisa que me diga algo a mim, que signifique que estou aqui, existindo através das palavras, através de emoções, pensamentos e desejos gravados num papel.

Que diga algo a alguém, que ajude, que alente, que marque a sua vida com palavras amigas capazes de fazer a diferença.

Quero escrever...qualquer coisa. 

 

f5af503d06eb4b0fdbfb1724ac2667ef.jpg

 

Setembro 01, 2021

imsilva

FB_IMG_1616497113825.jpg

O meu menino não dorme.
Não sei como dormirá.
Lá fora a noite é enorme
E não há lua, não há…

Meu menino chora, chora,
Não tem sossego consigo
Voltei-o p’ra mim agora,
Mas não dorme, não consigo…

Já cantei quanto se canta…
Já lhe falei do papão…
Já lhe disse como encanta
A fada que tem condão…

Mas ele não dorme; vejo
Sempre os seus olhos abertos…
Dou-lhe um beijo e outro beijo
E estende os braços despertos…

Dorme, meu menino, dorme
Que a mãezinha vai dormir!
Lá fora a noite é enorme…
Dorme, meu menino, dorme
Que já te vejo a sorrir

 

Fernando Pessoa

In Poesia 1931-1935  , Assírio & Alvim

Imagem: Arthur John Elsley

Livro dos contos de natal do Blog

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro dos contos de natal 2 do Blog

Em destaque no SAPO Blogs
pub