Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

Eis a questão...

1 Foto, 1Texto

Maio 17, 2024

imsilva

20240516_093735.jpg

Pêra ou limão?

Eis a questão 

Como certas pessoas na vida. E não, não estou a falar de identidade de género, que é matéria que respeito e não comento por sentir que é algo demasiado profundo, a nível mental, para ser simplesmente comentado por quem não faz a mínima ideia do que é estar na pele de quem assim se sente.

Refiro-me a quem hoje diz uma coisa, amanhã outra, e se lhe dermos tempo, ainda consegue dizer outra diferente. E isto porque me mete pena tanta falta de personalidade, de opinião, de percepção da vida. Ia dizer que me mete raiva, mas talvez seja um pouco exagerado. Será que essas pessoas não se apercebem disso? Será que não gostariam de ser mais assertivas e de conseguirem pensar melhor com a sua cabeça e não ir atrás do que todos os outros dizem? 

Claro que depois temos os políticos. E esses, em princípio, de burros não têm nada. Acredito que ponham as mãos pelos pés quando o assunto não agrada, e tentam safar-se, acabando por dizer asneira e fazer porcaria.

Esta reflexão sobre as ambiguidades da vida termina esclarecendo que a foto é de um limão. Só para o caso de não terem percebido, não gosto de dúvidas. Mas, não as temos todos?

Maio 15, 2024

imsilva

d1f6073907459052139a83bdf1c6acf7.jpg

 

ALICE VIEIRA

O QUE DÓI ÀS AVES 

Às vezes uma palavra bastava
Para que eu soubesse que virias sempre
ao meu encontro

Mas depois chegaram imprevistas tempestades
Que desenharam estranhas perdições
No mapa dos teus dedos

E as palavras que ninguém quis
Silenciaram a festa do meu corpo

E cobriram o teu daquele silêncio imóvel
Dos lençóis que se estendem sobre as casas
Abandonadas no fim do verão



 

Só árvores

1 Foto, 1 texto

Maio 10, 2024

imsilva

20240429_120620.jpg

Duas fileiras de árvores recebem quem se vai despedir dos seus entes queridos no cemitério.

São podadas todos os anos. Vejo-as muitas vezes, uma vez que passo por lá a caminho de casa.

Mas desta vez, estando no local e olhando para cima, para o azul do céu, vi-as.

E que bonitas me pareceram, com a vida a despertar e com suas nuances e cores.

Quem disse que há cores feias? Em tudo há beleza (que por acaso é o título de um livro de Manuel Vilas).

20240429_120540.jpg

 

Maio 08, 2024

imsilva

2714b3d09f0ad9ccdfaebdc195b4e67a.jpg

Barulho de fundo

fundo de garrafa cheia

cheia de palavras

palavras ocas, vazias

vazias de ideias, de poesias

poesias que não cabem

não cabem numa garrafa cheia

cheia com barulho de fundo

...

Gente que fala

fala de tudo

fala de nada

fala sem ver

fala sem sentir

fala sem saber

fala por falar

...

Barulho de fundo

fundo de garrafa cheia

cheia de vozes que falam

falam de tudo, falam de nada

Blá blá blá

! Foto 1 Texto

Maio 03, 2024

imsilva

20240425_095553.jpg

Encontrei estes dois em amena cavaqueira (mesmo). Qual será a conversa que poderão ter um galo de crista levantada e uma raladora pequenina?

Está-se mesmo a ver, o tipo de conversa que dois vizinhos do mesmo prédio poderiam ter quando finalmente se encontram à saída do elevador. Ou seja, talvez sussurrem criticas à pintura que já está caduca, ou falem do vizinho do 3ºesq que de vez em quando levanta o volume da voz, de maneira que se ouve em todos os andares.

Não estava à espera desta. Costumam estar tão sosegadinhos, fora a vez que o galo caiu e magoou a crista, ou quando a pequena raladora gritou quando foi lavada com água fria. Mas todos temos direito às nossas pequenas aventuras, e creio que foi o que aconteceu quando estes dois se viraram um para o outro. -  Vamos falar?

Maio 01, 2024

imsilva

8aad6cdc0f395893f3a16e2a31bb935d.jpg

Em 1984 embarquei no comboio da vida de casada. Na época a minha mãe era a senhora da casa e do trabalho. Fomos para Espanha em 1965 e o meu pai não quis que a minha mãe trabalhasse. Depois do regresso em 1973, o meu pai não conseguia fazer face às despesas e a minha mãe agarrou vários trabalhos, desde ir de madrugada depenar frangos, até fazer algumas limpezas da parte da tarde, e sempre sem descurar a casa. Era assim, ninguém estranhava. 

Claro, que apesar de ter crescido neste ambiente, nunca achei que era assim que devia de ser. Percebi que assim resultava para eles, mas não teria de resultar para mim. Mas o certo é que no comboio já em andamento as coisas vão tomando o seu caminho conforme as necessidades, e não me custa aceitar que devido a horários e a mais ou menos jeito para as coisas, se vá fazendo um determinado caminho e que vai resultando. 

Mas, a idade traz tudo, até a impaciência e a sensação de injustiça. Quando ninguém olha para o lado para ver mais do que o seu umbigo, a paisagem do comboio começa a cansar, porque eu contínuo a olhar para tudo e a ser a responsável por milhentas coisas que fazem parte da vida de todos. De referir que neste momento estamos 4 pessoas no comboio e duas gatas. 

Hoje, quero saber mais de mim e menos dos outros. Contínuo a trabalhar, apesar de fazer gazeta mais vezes, mas em casa continuam a achar que estou no comando e que tudo corre bem porque eu existo.

Bem sei que se eu não estiver (como há 3 anos atrás) tudo funciona e anda, dessa vez  foi poucochinho tempo, mas toda a gente sabe que tudo se resolve quando assim é preciso. Só que antes de ser necessário todos têm medo.

Tudo isto para dizer que o comboio não descarrila porque é tudo boa gente, se assim não fosse já estava fora da linha há algum tempo. Mas tenho que começar aos gritos e a espumar da boca para ver se se assustam e percebem que estamos todos dentro do comboio e aonde pode nos levar, a mim e a eles. 

Abril 29, 2024

imsilva

20240428_204032.jpg

Partiste há dois anos

Mas, partiste para onde?

Eu sei, estás connosco, no nosso âmago, 

Estás connosco na maneira como dizemos o que tu dizias, ou quando replicamos os teus gestos, movimentos e hábitos.

Mas, falta-nos o teu cheiro, o teu toque, o teu olhar, o teu sorriso quando vias os teus, as tuas opiniões positivas ou negativas, às invenções que te apresentávamos e às quais reviravas os olhos e franzias o nariz.

Como foi possível que tenhas partido há dois anos, e a vida continue todos os dias? que o sol continue a sair e a iluminar-nos, como se nada tivesse acontecido? Que as flores continuem com as suas cores garridas, se tu já não estás para cuidar delas?

Mãe, um dia vamos conversar sobre o assunto, e tentar perceber como certas coisas são possíveis.

Um dia...

 

 

Abril 24, 2024

imsilva

2897bc41fca12388b27b625ce9de50f2.jpg

Escrever

Vontade de escrever, obrigação de escrever, necessidade de escrever, talvez escrever, seja suficiente e quem gosta de escrever vai-me entender.

Há algo na preparação da escrita, encontrar o espaço, escolher a maneira de o fazer, seja em papel ou em teclas, que nos faz antecipar o prazer do resultado, a expectativa da harmonia de palavras e frases que nos prolongam, nos complementam, traduzem desejos, ideias, que dão azo à imaginação que guardamos cientemente e que no texto podemos lançar ao mundo.

Não é preciso ter o talento de um escritor, só precisamos de vontade e gosto em juntar as letras do abecedário e exprimirmos gostos, sensações, ideias mais ou menos arrumadas e depois sabermos que um pouco de nós ali ficou.

Se a ideia não é publicar um livro, isto será suficiente para aumentarmos um pouco a nossa felicidade. 

Livro dos contos de natal do Blog

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro dos contos de natal 2 do Blog

Em destaque no SAPO Blogs
pub