Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

05.05.21

Lingua portuguesa com Alberto Caeiro


imsilva

24680aee9257a11942f917901cfd1f31.jpg

 

Da mais alta janela da minha casa
Com um lenço branco digo adeus
Aos meus versos que partem para a humanidade

E não estou alegre nem triste.
Esse é o destino dos versos.
Escrevi-os e devo mostrá-los a todos
Porque não posso fazer o contrário
Como a flor não pode esconder a cor,
Nem o rio esconder que corre,
Nem a árvore esconder que dá fruto.

Ei-los que vão já longe como que na diligência
E eu sem querer sinto pena
Como uma dor no corpo.

Quem sabe quem os lerá?
Quem sabe a que mãos irão?

PASSO E FICO, COMO O UNIVERSO.

“O Guardador de Rebanhos”. In Poemas de Alberto 

26 comentários

Comentar post

Pág. 1/2