Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

12.02.21

Abraços e beijinhos precisam-se!


imsilva

8dbb8bf385f2cf85b1744a656b96fb8c.jpg

 

Na quarta-feira, na RTP, na entrevista de Vitor Gonçalves ao Psiquiatra e Psicoterapeuta Vitor Cotovio, sobre saúde mental, (se possível vejam), falou-se de algo que eu ainda não tinha ouvido, mas já tinha pensado.

Alguém perguntou aos idosos que isolaram nos lares sem visitas, sem carinhos familiares, aqueles que deixamos em casa sozinhos porque havia aí um vírus à solta, aqueles que entendemos (sim, eu também) que ficariam melhor sem os nossos beijos e abraços, se era isso que preferiam? Creio que não.

Os meus pais apesar de terem a sua idadezinha, estão muito bem, e foi-lhes explicado o que se estava a passar, e que seria melhor restringirmos as nossas visitas e os nossos afectos. No 1º confinamento foi mais moderado, os beijinhos foram deixados para trás, mas havia os abracinhos e algumas refeições feitas em conjunto. Em Setembro a minha mãe fez anos e recusou a ideia de não irmos todos jantar como é habitual nestas alturas. Consciente da época que estamos a viver, foi a decisão tomada, apesar do suposto risco que poderíamos (poderiam) correr. No Natal reduzimos o nº mas juntamo-nos, seria impensável os meus pais passarem sozinhos essa festa. 

Veio o Janeiro e o "estado da nação" obrigou-nos a outros cuidados. Não perguntamos, mas falamos de como teria que ser para que ninguém fosse parar ao hospital. O meu pai entretanto fez anos e com máscara, sem afectos físicos, sem almoço nem jantar de celebração, fui lá a casa para conectar a família em vídeo chamada e podermos de alguma maneira estar com ele nesse dia. Foi muito duro.

E se lhes perguntasse directamente se não se importam de viver assim, se prefeririam correr o risco e ter a companhia que sempre tiveram antes? Somos muitos e sempre houve alguém a almoçar lá em casa por um motivo ou por outro ( muitas vezes por nenhum).

Tenho medo de perguntar, porque sei como pensam. Provavelmente diriam que já não têm assim tanto tempo de vida, como para desperdiçar sozinhos em casa a implicar um com o outro, sem aquela família maluca à volta deles. Tenho medo que tenham razão. 

Há pouco vi um pequeno texto que dizia que os avós têm que esperar pelos "abraços quentinhos". Que se deseja que os números de óbitos por covid, desçam a zero. E eu espero que não seja só aí que eles possam ser abraçados, porque se assim for, muitos desses avós não chegarão a receber esses abraços.

25.11.20

Palavras de avó


imsilva

Screenshot_20201116-235537_Facebook.jpg

 

" Ó avó, conta uma história...
As avós foram feitas para contar histórias. Ninguém sabe contar histórias como as avós. As avós sabem que não podem abrir só o livro e por isso abrem também o coração. As avós nunca têm pressa. Sabem que as coisas feitas à pressa para ganhar tempo são aquelas que o tempo apaga mais depressa. Por isso, as avós demoram as palavras. Demoram as palavras para demorar o amor. Só o amor que leva tempo resiste ao tempo. Assim, quando a história acabar, as avós ficam. A sua voz doce permanece. Era uma vez uma princesa no meio de um laranjal. Conta outra vez essa, avó. E a avó volta ao início dos tempos e há cheiro de laranja no ar."

lado.a.lado.
Elizabete Bárbara

02.10.20

A casa

Saudade


imsilva

24ccb5a5610649f66f40b26fcde9108f.jpg

Lembra-se da casa, de quando era pequena. Uma casa de tijolo, de janelas com portadas azuis e na porta um batente em forma de punho.

Que saudades...

Lá dentro as paredes estavam pintadas de um verde "seco" e as janelas, que ela se lembrava de ver o avô de vez em quando de roda delas a raspar e a pintar, eram brancas. As cortinas eram às flores, côr de rosa e vermelhas com muitas folhas de várias verdes, entre eles o tal verde "seco". E como alegravam a casa. Nessas mesmas janelas, lembrava-se de encima de um banco, espreitar para as casas do outro lado da rua, e de ver a senhora do cão a tratar do jardim e das magnificas rosas que lá tinha.

Por baixo das escadas que davam para o 1º andar, havia um espaço maravilhoso onde gostava de passar o tempo. Levava um cobertor, punha-o no chão, e era lá que lia um livro,  que pintava desenhos ou que vestia e despia as bonecas com as roupas que a avó lhes fazia.

No Inverno acendiam a lareira e sentava-se ao colo do avô para ouvir as suas histórias. A avó tinha sempre bolinhos e bolachas que fazia no grande forno da cozinha, e que deixava a casa a cheirar maravilhosamente bem. 

Que saudades...

Hoje a casa já não cheira a bolos, os avós já não estão lá há uns anos, e ela já não é pequena.

Hoje ela está à cabeceira da avó, que depois de muitos anos de luta e de dar amor e atenção a toda a gente, vive os seus últimos momentos.

E ela com saudades de tudo o que viveu naquela casa, e com quem o viveu, pensa em lá voltar, pensa que tem de vê-la porque...quem sabe?

 

Texto escrito no âmbito deste Desafio

 

 

 

11.05.20

Visitas boas


imsilva

20200430_134612.jpg

Ser avó é...

Ter desenhos fantásticos, muito melhores que os do van Gogh.

E ouvir opiniões muito próprias;

- O Coronavírus é um micróbio mau, que não gosta de crianças que lavam as mãos e beben água.

- Sinto-me triste porque é chato ficar em casa sem ver os outros, mas é bom ficar em casa.

- Já morreram muitas pessoas na China.

- Eu gosto de dançar, mas não com estilo, gosto de dançar à maneira divertida.

Tivemos direito a visita ao fim de mais de dois meses. O abraço que foi dado por eles, só acabou porque tinham que abraçar também o avô. Nunca soube tão bem ter uma casa de pernas para o ar. É toda uma decoração nova na minha sala.