Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

Novembro 15, 2023

imsilva

20231115_105517.jpg

 

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

José Saramago, In: Viagem a Portugal. 

Passos no caminho

1 Foto, 1 Texto

Outubro 13, 2023

imsilva

20231013_103431.jpg

Cada caminho exige passos

cada suspiro exige esperança

cada olhar exige verdade

cada ser exige amor

cada paixão exige vida

e com a brisa, o aceno se esvai

com a luz do sol, todos ficam cegos

e no nevoeiro deixamos os sonhos

que um dia, nos atrevemos a sonhar

e vamos continuando a fazer o caminho...

 

Dia Mundial do escritor 

Feliz dia para nós, os escritores de pacotilha que vão escrevinhando com caturrice e amor, pelo poder e beleza da palavra escrita! 

 

Julho 12, 2023

imsilva

20220922_105734_01.jpg

No nosso caminho haverá sempre degraus. Uma escada que poderá ser imensa ou só uma coisa pequenina que poderá ser mais difícil de escalar que a sua irmã maior.

Esses degraus tanto nos poderão levar ao céu, como largar no inferno. Uma incógnita, um mistério que nos faz viver no limbo, na esperança de termos acertado, de não termos dado o passo errado.

Um degrau poderá ser mais doloroso do que cinco ou seis, dependendo do ponto em que estamos. Poderá servir para descansarmos no meio do caminho, ou para ultrapassarmos rapidamente para poder fugir à dor ou ao desconforto que sentimos no momento. 

A compensação da subida, poderá ser a vista, o desgosto da descida poderá ser o fim.

 

Janeiro 11, 2023

imsilva

f7069d65dede0ff727ced71d93edd2a6.jpg

 

Acompanhas-me?

Dá-me a mão e vem comigo

Prometo cuidar de ti

Prometo cuidar de nós

Não prometo dar-te as estrelas ou um raio de luar, mas...

prometo tentar dar-te amor, carinho, respeito, esperança e um caminho por onde possamos caminhar juntos

prometo construir pontes e afastar as pedras que nos possam magoar

prometo um arco-iris sempre que chover, e um sol sempre que estiveres triste

Se eu não conseguir cumprir as minhas promessas, prometes perdoar-me?

Agosto 05, 2022

imsilva

20220805_092037.jpg

A vida pode pesar toneladas, ao ponto de ser difícil dar passos, ao ponto de andarmos curvados, ou pode pesar como uma pena, ao ponto de andarmos a levitar, sem quase tocarmos no chão.

Creio que os adultos sentem mais a 1º versão do que a 2º. Quando vejo crianças a berrar por caprichos, sem razão alguma válida, penso sempre, "espera mais um pouco, cresce, e depois falamos".

Usualmente, andamos com os pezinhos no chão, sentimos as pedras do caminho, e se houver alguma fora do sítio, tropeçamos, correndo o risco de bater com os bonitos narizes no dito cujo (chão).

No entretanto, compramos bons ténis (não me atrevo a andar de sapatinho) e vamos caminhando, procurando um terreno mais liso, menos acidentado, na esperança de chegarmos ao outro lado com os menores danos possíveis.

Talvez seja melhor aproveitarmos os momentos menos arriscados para olharmos a paisagem, para respirarmos fundo, para deixarmos o peso por um bocadinho no chão e fazermos uns pezinhos de dança para aliviarmos a viagem.

Assim ou assado, com mais ou menos dificuldade, ultrapassemos e caminhemos...da melhor maneira possível.

Julho 29, 2022

imsilva

3aa9253ea0c74668f6b4334edd59ed77.jpg

E sem ti, mãe, continuamos a caminhar

Sempre à espera de te encontrar

ao virar de uma esquina, ou sentada a costurar

mas, estupidamente tu não estás

e nós continuamos a caminhar

e a perguntar; onde estás?

Falta-nos um pedaço, estamos incompletos

mas seguimos com um sorriso

precisamos de sorrir e assim

dar forças a quem as não tem

São três meses de estupefacção

de dúvidas e incertezas

de dor e tristeza

de uma tristeza serena 

que absurdamente se apoderou 

das almas e dos corações 

de quem te amou, de quem te ama

de quem te recorda, hoje e sempre!

 

O caminho sem ti

Um dia da mãe agridoce

Maio 01, 2022

imsilva

2e5289541fdb5828d9f7530aafb18d5f.jpg

Está lá, o caminho, mas está escuro porque tu não estás.

Mas nós vamos continuar a caminhar, só que sem ti.

Vamos com certeza encontrar mais pedras no caminho,

vamos sentir falta do cheiro das flores,

e vamos continuar a caminhar, só que sem ti.

A paisagem mudou, falta-lhe um arco-iris

só a noite ficou mais bonita

há no firmamento uma estrela que brilha muito mais

e nós com um sorriso, olhamos para ela, só que sem ti,

porque é lá que estás tu, mãe.

 

Fernanda  18/9/1935 - 29/4/2022

Livro dos contos de natal do Blog

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro dos contos de natal 2 do Blog

Em destaque no SAPO Blogs
pub