Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

25.10.19

desafio de escrita dos pássaros #7

Chazinho?


imsilva

d13a7660c8f6204f1fd90fe717802536.jpg

Nunca fui de aceitar ordens só porque sim, já a minha mãezinha se queixava. Dêem-me consistência no que me ordenam e eu vou lá, se não, nada feito. E foi isso precisamente que me aconteceu no meu último emprego.

O patrão queria a toda força que vendêssemos compota de abóbora com amêndoa como máscara capilar (Sto Abrenúncio), e quando a D. Constança veio ao estabelecimento para tratar a sua gasta cabeleira, não sabia como convence-la a tal coisa. Eu tinha-a como uma pessoa inteligente e muito bem posta, até vergonha tinha eu de propor o tratamento exigido pelo meu patrão. Comecei com calma, e lá expliquei, com todas as palavras, que as últimas descobertas da ciência indicavam que a compota de abóbora com amêndoas, tinha umas características muito próprias para o couro cabeludo, e por consequência para os fios capilares, e que estava practicamente provada a eficácia de tal tratamento. O cabelo ficava docinho e com uma cor muito gira.

A D. Constança olhou para mim, abriu muito os olhos, e disse “ca nooojo”.

Aí decidi-me, pedi à pobre senhora que esperasse um pouquinho que eu não me demorava nada, e fui ao gabinete do meu patrão, despedi-me, assim a secas, deixou descair o duplo queixo, e enquanto não recuperava a fala, saí do gabinete, e ao passar pelo balcão onde estavam os benditos frascos de compota, peguei num deles (o maior, pois claro), dirigi-me à D.Constança e convidei-a, “quer vir à minha casa que eu faço-lhe um chazinho, e comemos a máscara capilar com umas tostinhas?” A senhora abriu novamente os olhos, mas desta vez foi de surpresa e satisfação, respondendo imediatamente que “seria um prazer”.

Já de casaco vestido e mala ao ombro, dei-lhe o braço e saímos do estabelecimento com um grande frasco de compota nos braços, e um grande sorriso na cara.