Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

26.02.21

Este mundo dos desafios


imsilva

09bf578b3dbf1f79c4eada9056ae2568.jpg

Nunca eu tinha imaginado que este mundo dos desafios fosse tão rico.

Infelizmente não tem euros, mas tem gente, muito boa gente que se esmiufra para fazer jus aos desafios que lhes são apresentados. E todos entram ao barulho, os que propõem e os que são propostos, porque afinal os uns, são os outros também.

Criei este blog porque tinha umas folhas com pequenos textos escritos, e pensei em partilhá-los com quem  (supostamente) também gostaria de escrever. E foi um mundo que se abriu. Comecei a interagir com pessoas, que não conhecendo fisicamente, de alguma maneira sabia quem eram, só com palavras.

Entretanto a  Green eyes fez 51 anos, e eu pensei em pôr o pessoal a dizer o que eram os 50s. E surgiu o  Desafio aos cinquenta , o 1º desafio criado por mim. Foi magnífico, apareceram textos fantásticos, e aprendi muito.

Depois apareceram uns pássaros que decidiram dar-nos cabo da cabeça, e sem saber como, vi-me envolvida num desafio semanal que durou umas quantas semanas e que ainda teria uma 2º edição. Nunca pensei que seria capaz de escrever "por encomenda", mas os textos saiam quase sem dar por isso, e eu adorei o que escrevi, surpreendi-me a mim mesma, e mais uma vez aprendi imenso.

No Natal de 2019 lembrei-me de pedir Contos de Natal , e em 2020 fiz o mesmo. Escusado será dizer que temos uma bela colecção de contos, e que talvez haja surpresas em relação a isso.

Também houve um passa-palavra da Mula e da Mel que correu muito bem.

Agora, estamos todos embrulhados num belo desafio da Fátima Bento ,nuns quantos da nossa abelhinha mestra e a Cristina Aveiro também se aventurou num que me parece muito bem. 

Também tivemos e ainda temos uns desafios diferentes, mas igualmente interessantes. Um era do C.C que deixou o blogue sem aviso, e de quem tenho saudades, era "Uma foto...Uma história". Do mesmo gênero temos "A Paz de..." da Ana de Deus, a nossa abelhinha, e da MJP "A liberdade de..." em que nos presenteiam com belos textos de terceiros.

Provavelmente houve mais algum, mas neste momento, lamento, mas não me estou a recordar, se foi o caso desculpem-me.

Tudo isto para dizer que tem sido muito bom fazer parte deste mundo de desafios, de pessoas que se esforçam por cumprir os prazos previstos, de descobertas de textos maravilhosos de pessoas que não sendo escritores profissionais, (bem, alguns mereciam sê-lo, e outros há, já com provas dadas e trabalho publicado), são na maioria  escritores de coração, e aqui estão a comungar com o gosto e o prazer da escrita, e eu sinto-me muito orgulhosa por isso.

Pessoal, encontramo-nos no próximo desafio, e, como diz um nosso amigo que também por estes caminhos anda,               a gente lê-se por aí.

 

 

05.06.20

Escrever ...


imsilva

3fd734113d18cca20f12c85b470fdb04.jpg

Gosto de ler, gosto muito de ler, mas também gosto muito de escrever. E quando se escreve com gosto, as letras voam e rodopiam antes de pousar elegantemente no papel.

Gosto de pôr no papel sentimentos e pensamentos que raramente ponho nas palavras ditas. O papel é meu amigo, adoro ver as folhas em branco, prontas para receber o que eu lá quiser escrever e adoro o aspecto com que vai ficando à medida que as palavras as vão preenchendo. E é meu amigo porque não se zanga, não se ofende, recebe sempre a tinta que eu imprimo com a caneta em forma de letras sem se queixar. Não critica, também não aplaude, mas o seu mutismo deixa-me sempre à vontade para dar asas à minha liberdade criativa.

E assim vou escrevendo rabiscos, por vezes gatafunhos que um dia podem ser alguma coisa, folhas sobre folhas de anseios, vontades, ideias ou seja, letras que quando juntas formam palavras, com as quais poderemos comunicar, para o bem ou para o mal, porque há palavras que podem salvar vidas,  mas também as há que podem magoar muito.

Ao longo da minha vida tenho exprimido em papel, palavras que na altura não tive coragem de dizer pessoalmente, ou por não ter tido a oportunidade de o fazer. Tenho guardadas palavras escritas que falam com um filho ainda não nascido, os desejos de que uma separação não seja o fim de alguém, ou a dor da perda de uma pessoa importante na minha vida.

Se há uma coisa material que não me poderá faltar na vida é ; livros, papel e algo com que consiga escrever as palavras que me enchem os pensamentos.

Escrever é um acto de reflexão, de desabafo e limpeza da alma.