Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

14.05.21

30 minutos de espera...


imsilva

20210514_085008.jpg

O que podem fazer 30 minutos de espera.

Já lá tinha estado quando os meus pais foram vacinados, mas desta vez, sozinha, tive tempo de ver, e vi um pavilhão desportivo com uma parede repleta de cabines de vacinação e cadeiras espalhadas pelo resto do espaço, com a devida distância de segurança e pensei; que raio de coisa esta!

Estamos a assistir a uma vacinação em massa a nível mundial (ok. eu sei que não é bem assim, mas isso são contas de outro rosário) como nunca foi feita.

O que é isto? Em pleno século XXI, estamos a ser completamente comandados (bem ou mal) por um pequeno vírus ( e por entidades) que nos dão volta à vida, que nos proíbe de fazer-mos aquilo que queremos, que nos retira os afectos, e que nos obriga a usar uma máscara que nos tapa a expressão, o sorriso e a alface que ficou nos dentes.

Depois de levar a minha dose, sentei-me numa das cadeiras espalhadas pelo espaço e olhei à minha volta. Vi pessoas a olhar par os seus pequenos ecrãs de telemóvel, um a olhar para o tecto e outra a ler um livro. Também levei um, mas não chegou a sair da mala, o que tinha à minha volta era mais interessante. Atraída pelo movimento do senta-levanta, dediquei-me à observação de pessoas, de seres humanos que como cordeiros, seguiam instruções e levavam com a substância que dizem que pode travar esta pandemia.

Foi aí que pensei e ponderei no inusitado da situação e o que podem fazer 30 minutos de espera.

26.01.21

Carta a um filho


imsilva

21996603_FGLCg.png

Esta carta está guardada há mais de 35 anos. A minha 1º filha fez-se esperar duas semanas depois do fim do tempo, daí este meu desespero e vontade de que a gravidez chegasse ao fim. Estava em baixo de forma, animicamente falando. Aproveitei esta oportunidade para a tirar de uma pasta onde estava no escuro, e assim dei-lhe a luz que o tema permitiu.

 

Filho;

A mim já me conheces, pois durante 9 meses fizeste parte de todos os meus pensamentos e sentimentos.

Ao teu pai com certeza que também, pois é aquela pessoa que através de mim tomou conhecimento de ti e posso assegurar-te que também os seus pensamentos estão virados para a tua pequena pessoa que tantas vezes ele sentiu através da minha própria pele.

Sabes que te esperamos com impaciência e quase, quase desespero?

Não é que eu não goste de te ter dentro de mim, isso é algo de tão magnífico e fantástico, que nem se pode explicar ou dar a entender. Mas é que a altura passou a ser outra, queremos ver-te, tocar-te, pele a pele, começar-mos a viver a três, apesar de já o sermos há bastante tempo.

É porque assim fazes-me chorar, não por mal, mas porque provoca-me angustia não te ter cá fora.

Por favor filho, ajuda-me, acho que não estou a ter muita força nestes momentos finais em que me deveria sentir mais forte do que nunca, para te receber nos meus braços.

Espero que me possas compreender e desculpar por este pequeno desabafo, que no fundo vai cheio de amor e ânsia em te abraçar. 

                                                                                                     A tua mãe

 

Mais um desafio da nossa abelha