Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

Abril 10, 2024

imsilva

20240410_085133.jpg

 Maria Saraiva de Menezes  escreveu uma história por dia, durante três anos.  Aqui se encontram 1095 histórias de emoções, sentimentos, vivencias que poderiam ser de qualquer um de nós. Com mestria, inteligência  e sensibilidade, retratou a vida e contou a maravilhosa diversidade humana que existe. Para mim, que estou na leitura deste livro, com calma e parcimônia, para ser absorvido e apreendido como ele merece, só posso dizer que vale muitíssimo a pena.

Este post deveria estar na sua casa livrosecoisasdavida.blogs.sapo.pt, mas como este tem poucas visitas, achei por bem publicar neste blog para mais divulgação, porque merece que mais pessoas saibam da sua existência.

                                                                   

Firmino tinha o hábito de escrever cartas a si próprio para não se sentir tão sózinho. Costumava começar por cumprimentar, amavelmente, perguntando sempre pela família. Depois, contava as novidades a si próprio, que ele já sabia, mas fingia desconhecer, por educação. Terminava a carta despedindo-se elegantemente e pedindo para escrever de volta. E acrescentava: P.S: Queira fazer o obséquio de aceitar esta carta a pagar os portes no destinatário.

Que tal?

Março 21, 2024

imsilva

f6600077034f664f9e645d75f2d01345.jpg

 

PARA ESCREVER O POEMA

O poeta quer escrever sobre um pássaro:
e o pássaro foge-lhe do verso.
O poeta quer escrever sobre a maçã:
e a maçã cai-lhe do ramo onde a pousou.
O poeta quer escrever sobre uma flor:
e a flor murcha no jarro da estrofe.
Então, o poeta faz uma gaiola de palavras
para o pássaro não fugir.
Então, o poeta chama pela serpente
para que ela convença Eva a morder a maçã.
Então, o poeta põe água na estrofe
para que a flor não murche.
Mas um pássaro não canta
quando o fecham na gaiola.
A serpente não sai da terra
porque Eva tem medo de serpentes.
E a água que devia manter viva a flor
escorre por entre os versos.
E quando o poeta pousou a caneta,
o pássaro começou a voar,
Eva correu por entre as macieiras
e todas as flores nasceram da terra.
O poeta voltou a pegar na caneta,
escreveu o que tinha visto,
e o poema ficou feito.

Nuno Júdice

Fevereiro 28, 2024

imsilva

32b9df1377051eecbb86521e3ae523ed.jpg

 

POEMA - A procura

Cora Coralina

"Andei pelos caminhos da Vida.
Caminhei pelas ruas do Destino –
Procurando meu signo.
Bati na porta da Fortuna,
Mandou dizer que não estava.
Bati na porta da Fama,
Falou que não podia atender.
Procurei a casa da Felicidade,
A vizinha da frente me informou
Que ela tinha se mudado
Sem deixar novo endereço.
Procurei a morada da Fortaleza.
Ela me fez entrar: deu-me veste nova,
Perfumou-me os cabelos,
Fez-me beber de seu vinho.
Acertei o meu caminho."

 

Fevereiro 07, 2024

imsilva

FB_IMG_1627336929477.jpg

" Filha, lembras-te do tempo em que eu passava tardes e tardes costurando?
- Lembro-me, mãe. Éramos tanto filhos, tantas roupas...
- A maior parte das vezes eu só fingia que costurava.
- Fingia? Fingia para quê?
- Os homens não gostam que as mulheres pensem em silêncio. Ficam desconfiados..
- Assim, enquanto eu costurava, o seu pai não suspeitava que eu pensava...
Os meus pensamentos viajavam por todo o lado...
Nesses escassos momentos, eu, Constança, era mulher sem ter que pedir licença, existindo sem ter que pedir perdão."

Mia Couto. In. O outro pé da sereia.

Janeiro 16, 2024

imsilva

FB_IMG_1690273868328.jpg

ROSA LOBATO DE FARIA, in CEM PORTUGUESES

AFIRMAS QUE BRIGÁMOS. QUE FOI GRAVE

Afirmas que brigámos. Que foi grave.
Que o que dissemos já não tem perdão.
Que vais deixar aí a tua chave
e vais à cave içar o teu malão.

Mas como destrinçar os nossos bens?
Que livro? Que lembranças? Que papel?
Os meus olhos, bem vês, és tu que os tens.
Não te devolvo - é minha! - a tua pele.

Achei ali um sonho muito velho,
não sei se o queres levar, já está no fio.
E o teu casaco roto, aquele vermelho
que eu costumo vestir quando está frio?

E a planta que eu comprei e tu regavas?
E o sol que dá no quarto de manhã?
É meu o teu cachorro que eu tratava?
É teu o meu canteiro de hortelã?

A qual de nós pertence este destino?
Este beijo era meu? Ou já não era?
E o que faço das praias que não vimos?
Das marés que estão lá à nossa espera?

Dividimos ao meio as madrugadas?
E a falésia das tardes de Novembro?
E as sonatas que ouvimos de mãos dadas?
De quem é esta briga? Não me lembro.

*
Arte © Tomasz Alen Kopera

 

Novembro 15, 2023

imsilva

20231115_105517.jpg

 

A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:
“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.

José Saramago, In: Viagem a Portugal. 

Novembro 01, 2023

imsilva

04a5a3baebf09eaa3d2df8a6e962f1c4.jpg

 

" Não tenho pressa. Pressa de quê?
Não têm pressa o sol e a lua: estão certos.
Ter pressa é crer que a gente passa adiante das pernas,
Ou que, dando um pulo, salta por cima da sombra.
Não; não sei ter pressa.
Se estendo o braço, chego exactamente aonde o meu braço chega -
Nem um centímetro mais longe.
Toco só onde toco, não aonde penso.
Só me posso sentar aonde estou.
E isto faz rir como todas as verdades absolutamente verdadeiras,
Mas o que faz rir a valer é que nós pensamos sempre noutra coisa,
E vivemos vadios da nossa realidade.
E estamos sempre fora dela porque estamos aqui."

Alberto Caeiro. Não tenho pressa. In "Poemas Inconjuntos"


Outubro 18, 2023

imsilva

FB_IMG_1697620009528.jpg

Eu tenho dois netos de chocolate e, quando estou com eles, mesmo sem olhar para a marca ou para o país de origem do chocolate de que são feitos, sinto-me o guloso mais feliz deste mundo. E não precisam de me perguntar porquê. Basta olharem para os bombons dos seus olhos infinitamente doces e para as barras de chocolate com que me abraçam enquanto me segredam palavras raras que querem sempre dizer muito mais do que eu consigo perceber. Agora só me falta ouvi-los pronunciar a palavra "chocolate"como se a escrevessem no céu estrelado do amor que tenho por eles"

José Jorge Letria. Dois netos de chocolate. In. Histórias de chocolate

Ilustração de Raquel Diaz Reguera

Livro dos contos de natal do Blog

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro dos contos de natal 2 do Blog

Em destaque no SAPO Blogs
pub