Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

29.12.21

O Natal das nossas memórias


imsilva

20211215_112153.jpg

O Natal das nossas memórias

 

Fernanda aconchegou o casaco ao corpo, naquele Dezembro frio mas luminoso que ainda não prometia a neve que nunca mais vira, e continuou a andar, receosa do que iria encontrar uns passos mais à frente. Chegou à Rua de Baixo, o sítio onde não ia há mais de 40 anos. A aldeia de onde saíra com 10 anos de idade, para ir para o Brasil com os pais. O sítio onde ficara o seu coração na companhia dos avós que lhe tinham dado tanto amor e atenção, tantas memórias guardadas com tanto cuidado, sempre com medo que se desvanecessem.

Começou a descer a rua, notando o abandono que marcava aquelas casas que em tempos tinham estado preenchidas com vida, com risos, lágrimas e labutas. E quando finalmente lá chegou, o coração bateu mais forte, as lágrimas soltaram-se e deslizaram pelo seu rosto. Era uma ruína, umas pedras que tinham sido ocupadas por hera e plantas solitárias, e que lembravam imagens de outros tempos felizes e tão importantes na sua vida.Os avós tinham morrido cedo, cada um com a sua maleita, e a casa nunca mais tinha sido habitada. 

A saudade trouxe-lhe as memórias do último Natal que lá passara, antes daquela viajem que a levaria para tão longe. Via a mesa posta com a toalha que religiosamente saia todos os Natais, branca com azevinho bordado, sempre impecável de tão bem tratada que era. Os pratos e os copos do serviço das ocasiões especiais, e todos os acepipes e guloseimas que só a avó sabia fazer. Uma família alargada de tios e primos barulhentos, vindos de todos os cantos do pais, que enchiam a casa de alegria e confusão, e que sem isso não seria a mesma coisa.

Mas isso era o passado, o presente era isto, uma ruína, umas pedras que caladas, gritam nos silêncios de histórias sussurradas nos espaços das pedras que ficaram. Soluços ecoam nos vazios das almas, das presenças que já não estão.

Fernanda senta-se naquele muro que já foi parede, chora de saudade, e depois levanta-se, ergue a cabeça e faz o caminho de volta sentindo-se mais tranquila. Ainda bem que existem memórias...

 

 

19.05.21

Gavetas


imsilva

20210421_200518.jpg

 

Gavetas de memórias sem cor

Gavetas de recordações esfumadas

Gavetas de sensações quentes

Gavetas de boas gargalhadas e de tristes lágrimas

Guardam as minhas camisolas e as minhas ilusões

Guardam os meus anéis e as minhas histórias

Guardam os meus sonhos, os que desapareceram nas esquinas do tempo,

e os que guardei com o maior dos recatos, para ninguém cobiçar

Guardam as imagens que a retina guardou e o coração rejeitou

Guardam alegrias e tristezas do que se perdeu no caminho

Guardam esperanças, desejos, anseios e sentimentos de amor, ainda por usar

E guardam uns pozinhos de felicidade, pelo sim pelo não

As minhas gavetas estão cheias do que não quero largar

10.03.21

Cor de rosa

Vamos pintar com palavras ? #8


imsilva

3051c803231481129decb8cf8c02be83.jpg

Memórias em rosa

 

Cor de rosa eram os laçarotes que a mãe lhe costumava pôr no cabelo.

Cor de rosa os sonhos que todas as noites lhe faziam companhia, quando dormia na sua pequena cama com o seu amigo coelho Ní.

Cor de rosa fora a festa do seu sexto aniversário.

Cor de rosa era o chapéu de chuva que a avó lhe dera naquele ano em que vivera lá em casa, antes de a levarem para o "lar", onde diziam que estaria melhor.

Cor de rosa o xaile que no Natal lhe fora levar ao "lar", justamente antes de a avó morrer no sítio onde supostamente ela estaria melhor.

Cor de rosa fora o casaquinho que fizera durante a sua 1º gravidez para a sua 1º filha.

Cor de rosa seria o casamento que ela tinha imaginado...

Cor de rosa era a cor de algumas das suas mais importantes memórias, que vinham lá de longe no tempo.

Havia memórias de outras cores muito mais escuras na sua vida, mas essas, ela não queria recordar.

 

Texto no âmbito do Desafio caixa de lapis de cor

21997264_iyKrZ.png