Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

Novembro 02, 2022

imsilva

20221016_132053.jpg

Tudo na vida se mistura, como na Natureza as folhas verdes e as folhas castanhas do Outono. Como os feitios assim e os assim assim, como os altos e os baixos, como os frágeis e os fortes. Como os que tudo sabem, ou julgam saber, e os que crêem não saber, mas tanto sabem.

Ingredientes da vida humana que mexendo, e tornando a mexer, fazem o que temos, o que somos e o que vivemos, com todas as cores a que temos direito.

Outono

Desafio das palavras, sobre nós. Semana#7

Outubro 14, 2022

imsilva

20221012_132838.jpg

 

Cais no nosso espírito, na nossa alma, como a calmaria depois da tempestade. Trazes-nos o aconchego das cores quentes que nos enchem o olhar de paixão. E dás-nos a certeza de que tudo continua, mesmo quando parece que tudo termina, porque até no final há beleza, até no final há a esperança de mais.

Esse és tu, Outono! 🍂

 

Participação no desafio da Célia

Outubro 02, 2019

imsilva

6adc7f5e7341d572d1b81231e8f3ee7e.jpg

Tenho encontrado por aqui, neste cantinho à beira net plantado, uns quantos blogs com os ânimos um pouco descaídos. Alguns até a insubordinarem-se contra o Outono. Ora, tendo eu própia andado também com tudo a caír-me em cima, a empurrarem -me os ânimos pelas ruas da amargura, pergunto-me se não serão os astros que também andam desaustinados, mal alinhados, zangados com os amores, a fazerem das suas. Se assim for, amigos alinhem-se, orientem-se, que a coisa não está fácil.

Por outro lado, e era por aí que eu queria que fosse este post, tenho paixão pelo Outono. 1º porque em termos de vida, é quando começo a ter um vislumbre dela, o trabalho abranda e começamos a respirar um pouco melhor. 2º porque é quando surgem as melhores cores e cheiros. Cheiro a fresco, a terra molhada (quando chove), e as árvores vestem-se com  cores novas e maravilhosas, como invejo os amarelos, os laranjas e os castanhos da natureza nesta estação.

E pronto, depois de dizer de minha justiça, faço votos para que os astros me tenham ouvido, e que nós pobres mortais, possamos levantar de alguma maneira os nossos ânimos, e podermos também apreciar a natureza tal como ela é, sem metermos a pata para a transformar-mos à nossa imagem e apetite.

 

 

 

Livro dos contos de natal do Blog

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D

Livro dos contos de natal 2 do Blog

Em destaque no SAPO Blogs
pub