Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

13.10.21

Desafio "Arte e inspiração" #5

Limbo


imsilva

22170638_ZK2UN.jpeg.jpg

El sueño, Frida Khalo (1940)

De olhos fechados,  sonhei contigo. Miravas-me de um modo que eu não conseguia decifrar.  Pensei se seria amor ou se seria rancor, mas era com certeza um olhar intenso, um olhar perturbante.

Quis acordar, mas as pálpebras pesavam, não as comandava, não me obedeciam.

Senti-me a pairar algures numa outra dimensão, e com vontade de lá ficar. 

Foi quando o meu corpo estremeceu fortemente,  como se um choque eléctrico o tivesse percorrido. Senti o ar a invadir os meus pulmões e acabei por abrir os olhos, um sentimento de medo se apoderou de mim.

Ao abrir os olhos compreendi.

Afinal não eras a morte, mas sim a vida a chamar-me de volta.

 

Texto no âmbito do desafio da Fátima Bento

 

24.09.21

O Sono e o Sonho de José Jorge Letria


imsilva

FB_IMG_1629673493509.jpg

O SONO E O SONHO

A noite tem dois filhos: um chamado Sono e outro chamado Sonho. Gosta, quando o tempo está frio, de os agasalhar debaixo do manto de veludo negro que, umas vezes enfeita com estrelas brilhantes e, outras, com nuvens carrancudas.

O Sono e o Sonho, como todos os irmãos, têm as suas brigas e aborrecimentos. E porquê? Ora, por tantas razões! Mas a principal é esta: é que o Sono gosta de dormir a bom dormir e o Sonho tem o hábito de aparecer pelo meio a meter-lhe fantasias na cabeça.

Quando isso acontece, a mãe, que gosta que a tratem apenas por Noite, sem dona nem senhora atrás do nome, aparece, faz uma festa na cabeça de cada um, dá razão aos dois e depois aconselha:

- Agora vamos dormir, porque amanhã é dia de trabalho.

De quem os dois irmãos não gostam nada é de um primo que têm chamado Pesadelo, porque é feio, irritante e tem o costume de contar histórias de arrepiar que deixam os dois muito trémulos debaixo do manto da Noite.

Um dia destes, o Sono e o Sonho decidiram fazer uma partida ao primo Pesadelo. Sabem como? Fingiram que estavam a dormir muito descansados e deixaram-no aproximar-se. Quando ele se preparava para lhes contar uma daquelas histórias de pôr os cabelos em pé, saltaram os dois da cama com lençóis brancos na cabeça, mascarados de fantasmas e pregaram um tremendo susto ao primo mal encarado que passou muitos meses sem aparecer.

Nesse dia, a Noite cobriu-se com o seu manto de estrelas brilhantes e dormiu até de manhã com os dois filhos enroscados e felizes a seu lado.

José Jorge Letria. In. Histórias do sono e do sonho. Ilustração Justine Brax

07.04.21

Castanho escuro

Vamos pintar com palavras? #12


imsilva

20210331_103914.jpg

A semana passada tive os meus netos em casa. Num daqueles momentos em que não queremos que estejam à frente da televisão, pedi ao mais velho (7 anos) que fosse escrever histórias. Passado um bocado, apresentou-me esta. Tive que lhe dar um fim mais normal (será?), E foi isto que saiu. Disse-lhe para escrever que o urso era castanho, para poder publicar o conto num desafio em que escrevo à quarta feira.  Delirou logo com a ideia, e foi contar à mãe o que eu ia fazer com a sua história. Aqui está ela, até porque não tive tempo de me debruçar sobre a cor esta semana.

 

As irmãs aventureiras

Era uma vez duas irmãs,  a mais velha chamava-se Sónia,  e a mais nova Lara.

Uma noite ouviram um rugido. As irmãs espreitaram pela janela e era um urso castanho e muito grande. 

Então a Sónia teve uma ideia, - vamos investigar! - mas, o quê Sónia? - respondeu a Lara. - vamos investigar se é verdade ou mentira! - Ok! 

Lara belisca-me, e eu faço o mesmo contigo. E a Lara concordou.  Beliscaram-se uma à outra e afinal descobriram que tinha sido mesmo um sonho.

Aproveitem e abracem os vossos peluches favoritos, é muito melhor do que ursos de verdade.

Escrito por Martim Barreiro.

 

Este texto pertence ao Desafio caixa de lápis de cor