Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

24.06.22

"Tire o pó"


imsilva

a7323155ef5db91e3789555f6c139d13.jpg

 

"Minha avó disse:

Não deixe suas panelas brilharem mais do que você. Não leve tão a sério a limpeza da casa.

A vida é curta, divirta-se! 

Tire o pó, se necessário. Mas reserve um tempo para pintar um quadro ou escrever um poema, passear ou visitar um amigo, cozinhar o que quiser, regar suas plantas...

Tenha um tempo livre para tomar uma cerveja, nadar na praia (ou piscina), escalar montanhas, brincar com cães, ouvir música, ler livros, cultivar seus amigos e curtir a vida.

Tire o pó, se necessário, mas a vida continua lá fora. Você sabe que esse dia nunca mais voltará.

Tire o pó, se necessário, mas não esqueça que você envelhecerá e que muitas coisas que você pode fazer agora não serão tão fáceis de fazer na velhice. E quando você sair, já que todos iremos embora um dia, você também se tornará pó. 

E ninguém se lembrará de quantas contas você pagou, nem de sua casa limpa, mas eles se lembrarão de sua amizade, sua alegria e o que você ensinou."

 

Texto de autor desconhecido. 

22.06.22

Espírito, causas e consequências


imsilva

20220621_150247.jpg

 

Quando a nossa vida leva abanões e dá cambalhotas, algo muda, se modifica e altera sem que demos conta. Aparentemente somos os mesmos, a vida segue o seu curso, não mudamos de família nem de trabalho, mas o espírito muda, e só damos por isso quando notamos que alguns hábitos foram alterados e começamos a sentir falta deles.

Aquele pedacinho da manhã que passava a ler os blogues dos meus vizinhos e que inventava algo para publicar, desapareceu sem avisar para onde ia. Perguntei ao meu espírito se sabia de alguma coisa e ele respondeu-me, "deixa-me em paz"!

Pois é, o espírito tem vontade própria e consegue ser muito mal educado.

A verdade é que acontecimentos, causas e consequências são inevitáveis no nosso percurso de vida, resta-nos aceitá-los, guardá-los com mais ou menos carinho (dependendo dos danos) na caixinha das memórias, alguns num cantinho especial do coração, e outros ainda nunca sairão dos nossos pensamentos façamos nós o que fizermos.  

Mas a vida espreita e diz-nos "lembras-te do que te faz feliz, do que gostas de fazer?" e aí damos um raspanete ao espírito mal-criado, pomo-lo de castigo e seguimos com as nossas coisas felizes que tão bem coabitam com as lembranças, também felizes, que entretanto passaram a povoar a nossa alma.

01.04.22

Lições de vida


imsilva

e21de9607e0d1ca956f6a569939bf60d.jpg

 

''De todas as lições que a vida está me ensinando, a principal é esta: há decisões que temos que tomar, há mudanças que precisam acontecer, há medos que devemos enfrentar, há solidões que precisamos suportar, há lágrimas que precisamos derramar, há recomeços que precisam florescer de alguma forma dentro de nós.
Porque mesmo quando pensamos que não somos capazes de suportar algo, o tempo vai mostrando que somos mais fortes do que pensamos e mais corajosos do que imaginávamos ser...''

Autor desconhecido

29.03.22

O Amor de Gedeão


imsilva

2329153de3d63a485c30699cef6b3f8e.jpg

 

POEMA DO AMOR

Este é o poema do amor.
.
Do amor tal qual se fala, do amor sem mestre.
Do amor.
Do amor.
Do amor.
.
Este é o poema do amor.
.
Do amor das fachadas dos prédios e dos recipientes do lixo.
Do amor das galinhas, dos gatos e dos cães, e de toda a espécie de bicho.
Do amor.
Do amor.
Do amor.
.
Este é o poema do amor.
.
Do amor das soleiras das portas
e das varandas que estão por cima dos números das portas,
com begónias e avencas plantadas em tachos e em terrinas.
Do amor das janelas sem cortinas
ou de cortinas sujas e tortas.
.
Este é o poema do amor.
.
Do amor das pedras brancas do passeio
com pedrinhas pretas a enfeitá-lo para os olhos se entreterem,
e as ervas teimosas a descerem de permeio
e os homens de cócoras a raparem-nas e elas por outro lado a crescerem.
Do amor das cadeiras cá fora em redor das mesas
com as chávenas de café em cima e o toldo de riscas encarnadas.
Do amor das lojas abertas, com muitos fregueses e freguesas
a entrarem e a saírem e as pessoas todas muito malcriadas.
.
Este é o poema do amor.
.
Do amor do sol e do luar,
do frio e do calor,
das árvores e do mar,
da brisa e da tormenta,
da chuva violenta,
da luz e da cor.
Do amor do ar que circula
e varre os caminhos
e faz remoinhos
e bate no rosto e fere e estimula.
Do amor de ser distraído e pisar as pessoas graves,
do amor sem amar nem lei nem compromisso,
do amor de olhar de lado como fazem as aves,
do amor de ir, e voltar, e tornar a ir, e ninguém ter nada com isso.
Do amor de tudo quanto é livre, de tudo quanto mexe e esbraceja,
que salta, que voa, que vibra e lateja.
Das fitas ao vento,
dos barcos pintados,
das frutas, dos cromos, das caixas de tinta, dos supermercados.
.
Este é o poema do amor.
.
O poema que o poeta propositadamente escreveu
só para falar de amor,
de amor,
de amor,
de amor,
para repetir muitas vezes amor,
amor,
amor,
amor.
Para que um dia, quando o Cérebro Electrónico
contar as palavras que o poeta escreveu,
tantos que,
tantos se,
tantos lhe,
tantos tu,
tantos ela,
tantos eu,
conclua que a palavra que o poeta mais vezes escreveu
foi amor,
amor,
amor.

Este é o poema do amor.

ANTÓNIO GEDEÃO, in OBRA COMPLETA (Relógio D'Água, 2004)

25.03.22

Histórias da vida real - II - Henrique

Porque todos somos feitos de histórias


imsilva

28a778cb970e6dd2cb5953d4eef41e38.jpg

 

Henrique viveu bem.

Henrique viveu bons e maus bocados na vida. Nos últimos 20 anos a vida de Henrique não foi fácil. Problemas vários, desde familiares a problemas de saúde, e a problemas laborais e financeiros, Henrique já reformado há dez anos, teve de continuar a trabalhar.

Henrique tentou. 

Henrique é boa pessoa. Gostamos dele. Mas a vida achou que Henrique não merecia paz, não merecia uma velhice descansada e deu-lhe tudo menos isso.

Henrique teve mais um AVC, mais um vírus e mais uma bactéria.

Henrique não quer mais viver.

Henrique não quer estar ligado a uma máquina, sabendo que não vai mais sair dali.

Henrique está consciente e pediu para desligarem essa máquina.  

Essa máquina desligou-se sozinha...

23.03.22

Pessoas de quem tenho saudades

12° tema de 52 semanasde 2022


imsilva

2237.jpg

 

 

 

 

Esta manhã, não sei bem porquê, lembrei-me de uma pessoa que não vejo há alguns anos, e de repente vi-me rodeada de lembranças de outras tantas, que depois de terem cruzado o meu caminho, por um motivo ou por outro deixei de ver. Algumas, infelizmente nunca mais verei, mas outras, porque simplesmente a vida levou-as por outro caminho e não deixaram como contactá-las. É um belo conjunto de pessoas das mais variadas idades e gêneros.

Esta pessoa que me levou a estes pensamentos, não era perfeita (como ninguém é) mas era interessante e inteligente, e foi alguém que eu gostei de conhecer, e durante os anos em que privamos, tivemos conversas interessantes, não que concordassemos em tudo (e ainda bem) mas aportou-me conhecimentos e bons momentos de convivio.

Infelizmente, como já referi, a vida dá voltas que nem a inteligência consegue controlar e neste momento não sei nada dela, nem encontro quem saiba.

E pronto, isto levou-me ao velho sentimento português, à saudade, saudade de tanta gente com que me cruzei, gente que me orgulho de ter conhecido, gente que me fez bem, gente de quem eu gostei ( que continuo a gostar) e que espero tenham gostado também de mim. Obrigado por terem existido.

Beijinhos meus amigos.

                                   ❤

 

 

Este texto foi escrito e publicado há uns anos, e achei que fazia todo o sentido neste desafio. Portanto esta é a minha participação no desafio da Ana de Deus

18.03.22

Destroços e emoções


imsilva

c69410404098c388e043e5a4cefe7591.jpg

 

Vladislav lembrava-se daquele teatro numa ocasião em que, era ele de palmo e meio, fora com o avô ver uma peça "Pedro e o lobo" de Prokofiev. Talvez fosse daí que tivesse nascido a sua paixão pela música.

Hoje era um jovem pianista que começava a ser conhecido na cidade de Kiev, e falado em toda a Ucrânia. Mas, não tinha tido oportunidade de tocar lá, e agora já não o poderia fazer.

Agora só tinha as memórias das belas melodias lá ouvidas ao lado de um avô que também já não estava.

Os seus olhos percorreram as paredes que restavam e sentiu um aperto no peito. Destroem-se casas de cultura como se de um baralho de cartas se tratasse, e não são essas só, são as outras também, as casas que fazem parte da vida do povo, da vida das aldeias, cidades, as casas onde se ensina, as casas onde se tratam os doentes, as casas onde se procura o conforto da fé, as casas de uma sociedade completa.

Haverá alguma desculpa, alguma razão, algum motivo que justifique a destruição dos meios de sobrevivência do ser humano, e do próprio do ser humano que não fez nada para isso merecer?

Vladislav afastou-se acabrunhado, com os olhos postos no chão, envergonhado, não queria ver mais atrocidades cometidas por aqueles que ele pensava serem seus semelhantes.

11.03.22

Cansada de gente


imsilva

3fe866fdabe71e7cb428fb89440ab10b.jpg

 

Cansada!

Cansada de debitar opiniões que ninguém compra e ainda rejeitam.

Cansada de não ouvir as dos outros, porque não as têm.

Cansada de mandarem-me à cara o que disse ou que deixei de dizer.

Cansada de olhar para todos, de sentir todos, mas ninguém me sentir a mim, ninguém me olhar.

Cansada de ouvir dúvidas, tremeliques e crises existênciais alheias.

Será que um dia me cansarei de mim mesma? 

Há quem faça a velhice rodeada de cães e gatos, a minha será rodeada dos meus livros, das minhas coisas. Se será rodeada de pessoas? Não sei... 

 

Este foi um dia que aconteceu algures no tempo e que saiu muito azedo, não liguem!

01.02.22

Os meus, os nossos pais, e os pais deles.


imsilva

20220201_105018.jpg

 

Tenho lido alguns textos em resposta ao desafio da Ana de Deus, de colegas da minha geração, e serviu para confirmar que os pais também são geracionais. 

Os pais daquela época eram mais frios, apesar de amarem e quererem o melhor para os seus filhos. Talvez por também não terem tido o calor dos abraços, ou os olhares ternos que hoje não temos qualquer problema em mostrar, porque os pais deles também não o sabiam fazer e tinham vidas ainda mais complicadas. Eu falo da vida que por aqui se levava, e acreditem que me custa a acreditar nas histórias que lhes ouço, sabendo que são verdadeiras.

A minha mãe pouco conta daquela época, com 8 anos foi servir para a cidade, e com esse afastamento de casa as memórias não são muitas. Perdeu o pai com 6 anos e a mãe teve que levar 7 filhos para a frente, com pouco apego e muito desembaraço. Conheci a minha avó e gostava daquele ar duro que demonstrava, mas que se notava que com a idade era mais fachada do que outra coisa. O meu pai, apesar das dificuldades, eram também 7 irmãos, conta mais a sua história. A sua paixão pela mãe maravilhosa que teve, e que eu posso confirmar, e o pai que nenhuma atenção dava, e do qual um dia destes vou contar um episódio que trouxe as lágrimas aos olhos do meu pai quando a relatou há pouco tempo.

Os meus pais são hoje mais doces do que foram, devido à idade, à vida mais calma que passaram a levar sem as preocupações de pagar contas e descobrir como o poderiam fazer, e aprenderam as demonstrações de carinho com os netos e os bisnetos. Hoje são mais doces, e gostam disso. Mas ninguém lhes tinha explicado que a autoridade paternal não se perdia se houvesse mais beijinhos e abraços e "diz-me como estás, como está a tua vida na escola, tens algum problema em que eu possa ajudar?"

Hoje vivem a nossa vida, os nossos problemas com muita intensidade, tal que alguns não chegam a conhecer para evitar-lhes preocupações. Estão sempre disponíveis para o que for, e apesar das mazelas que de vez em quando os manda abaixo, continuamos a contar com eles. O meu pai a dar os seus infindáveis conselhos, e a minha mãe sempre a perguntar por todos os que não estão tão perto, e que lhe deixa uma ruga de preocupação na frente. A felicidade maior é conseguirmos estar todos juntos, quantos mais, quanto mais algazarra melhor, e já somos peritos em inventar motivos para tal.

Durante a pandemia, fizemos o melhor que pudemos para que não ficassem muito isolados. Não têm sido tempos fáceis para eles, aceitar que um estúpido vírus manda em nós, não é fácil de entender para quem passou por tantas coisas boas e más, mas que podiam comandar.

Que pais estaremos nós a ser? que dirão de nós um dia?

Meus filhos, se um dia lerem isto que seja para perceberem que tentamos, bem ou mal, tentamos fazer o melhor que pudemos e soubemos. Sejam caridosos!