Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

pessoas e coisas da vida

pessoas e coisas da vida

10.11.20

Férias ou confinamento?


imsilva

f9d51c7e98b6617bdce125f8d2455d56.jpg

Eis a questão!

Estou de férias ou será de confinamento???

Vou convencer-me que é um mix, um parvo mix. Tão parvo como o estúpido bicho que anda a comandar as nossas vidas.

No meio das dúvidas, vou usufruindo da companhia dos netos, que é algo que não consigo fazer em época de trabalho, e tento gozar o facto de não ter que me preocupar com terceiros em ambiente laboral.

Sou eu, o marido, uma filha esporadicamente, e agora 4 dias com os netos, enquanto os pais aproveitam uns dias sozinhos por 1º vez em 7 anos.

Quero relaxar um pouco mais do que no confinamento da primavera, não sei se será possível, porque nem sei se conseguirei voltar ao trabalho no tempo que estamos a prever. Imagino stress para esse lado. 

Mas, neste momento não é altura para pensar nisso. Neste momento é para gozar as refeições em casa, o não ter horários, o ouvir a chuva com uma manta e um livro no colo, talvez dedicar um pouco mais de tempo à escrita.

Sejam férias ou confinamento... dêem-me paz e tranquilidade de espírito, por favor.

 

 

10.04.20

Anúncio ao desafio dos pássaros


imsilva

34756ef213e577e5f404e9f0c225c8e2.jpg

 

Estava eu encantada, orgulhosa da minha pessoa, por ter conseguido chegar ao fim do desafio das 10 semanas, (que pensei não o fazer) eis senão quando, vejo um post com mais um tema, pelos vistos para continuação da coisa. Só pensei, coitados dos pássaros espero que não seja consequência do vírus que para aí anda à solta (brincadeira parva, eu sei, desculpem-me)

What? Então não eram só as 10 semanas? Compreendo que queiram dar que fazer a este pessoal que está em casa, a olhar para as paredes, a arrepelar os cabelos. Mas lamento, eu vou fazer um intervalo. Estes tempos têm sido de preocupações, e apesar de eu necessitar de escrever, não será com temas pré-estabelecidos, é tempo de escrever o que me vai na alma, no coração, na mente e na real gana. Espero que mais desafios voltem quando voltar-mos à "normalidade" à nossa liberdade neste momento condicionada, e ao nosso quotidiano (àquele do qual nos costumávamos queixar). Quero deixar o meu apreço ao grupo fantástico que levou a cabo o desafio. Pássaros vocês são magníficos! Espero que continuem a ter ideias idiotas, (nós gostamos) e espero voltar a fazer parte do bando. Cuidem-se por favor.❤🌈

06.04.20

Querido 2020


imsilva

Screenshot_20200328-093515_Facebook.jpg

Lembram-se da sensação da chegada de um novo ano? Da expectativa do que vai acontecer, do que desejamos, do que aí vem? 

Para a próxima tenham mais cuidado com o que desejam! 

Aqui  expresso o que sinto em relação às celebrações da passagem de ano. Nunca na vida pensei que viria a ter tanta razão.

E isto traz-me à memoria uma frase interessante. "Esta mania que a vida tem de trocar as perguntas, quando pensamos que já conhecemos as respostas".

 

03.04.20

Desafio dos pássaros # 2.9

Tive uma ideia!


imsilva

590f5956ffc9553ecb52f61c99888666.jpg

Que tal pedirmos um daqueles caldeirões das bruxas, dos nossos contos de infância, daqueles contos onde havia sempre fadas boas e bruxas más, e metermos lá para dentro uns quantos ditos "mandatários", que andam para aí a destilar más decisões e a mandar postas de pescada neste planeta que não merecem???

Não sei... foi só uma ideia!

Aproveitávamos e juntávamos um condimentozinho, o ranhoso do vírus que assim ficaria em boa companhia, e nós passaríamos a respirar melhor.

01.04.20

Surreal!


imsilva

fa87d9184e856ad6ab2e8e9594235d2e.jpg

Encontrei este texto, que escrevi logo no inicio desta maluqueira, e que me devo de ter esquecido de publicar na altura. Este blog é um pouco como o meu diário, por isso não poderia deixar de o publicar e partilhar. Como tal, e como sei que não têm mais nada para fazer, aqui vai.

 

Surreal, sinto-me num filme, simplesmente inacreditável ainda.

Todos fechados (ou quase) em casa, avós numa casa, filhos noutra, nós noutra e o esforço para não nos misturarmos, o esforço de não nos infectarmos uns aos outros, no caso de um já o estar.

Empresas e negócios fechados por imposição do bom senso e na tentativa de quebrarmos  uma cadeia de contágio que neste momento liga o mundo (planeta).

Até aqui, muito nos queixávamos das alterações climáticas, de todas as mudanças a que assistíamos de bancada, boquiabertos por não acreditar-mos no que estava a acontecer à frente dos nossos olhos e sentidos.

Pelos vistos não estava a ser suficiente, e então, tomem lá um viruzito que nunca imaginaram, para perceberem o pequeninos que são e o pouco que valem. 

Bolas! Então nestes aninhos todos, que por cá andamos, não aprendemos nada? Pensamos que somos os maiores, que sabemos tudo, tudo, tudo, e depois aparece uma coisinha que nem tamanho tem, e põe-nos de pantanas, em estado de pânico, e completamente à sua mercê?

Eu nem sei se o que estou aqui a escrever tem alguma lógica, creio que o que estou a fazer é ver se consigo entender através do que escrevo. Finjo que escrevo para outros, quando no fundo, é para ver se eu própria entendo o que estamos a viver.

O meu sítio parou, o comércio está fechado (salvo os essências à sobrevivência), as ruas estão desertas, isto é um filme de ficção científica em 3, 4, 5, 6, ou 7D???

 

20.03.20

Friamente...


imsilva

fdba417c8b4526ac2ee65b4abc169482.jpg

Friamente...

Pensei em pensar...Friamente!                   Não é fácil,  mas vou tentar fazê-lo, principalmente  para a minha sanidade e serenidade mental, que neste momento de serena não tem nada.

Em Portugal,  em 2019, o vírus  da gripe que conhecemos  por "influenza", matou mais de 3000 pessoas.

O que me assusta mais nesta situação recambolesca e apocalíptica em que estamos, não são as mortes, porque essas como referi, são (infelizmente) acontecimentos que já acontecem todos os anos. E estou convencida que não vamos ter os números que andam lá por fora, creio que actuamos a tempo ( vamos ver). O que realmente me assusta é a necessidade de ajuda hospitalar, e ter dificuldade em encontrá-la. Isso é que é do caraças.

Estou sempre a desejar ( quem não?), que não me apareça algum dos meus com algum sintoma,  só para não ter que me debater com " telefonamos para a saúde 24?"  " vamos para o hospital?"  " os sintomas são graves, ou aguentamos em casa com paracetamol?". Não quero imaginar- nos no meio do caos que se viverá nos hospitais. 

Friamente...                                              Pensem noutras mortes que não vão acontecer. Os acidentes rodoviários vão diminuir substancialmente, ( poucos carros vão andar nas estradas) ou seja menos mortes. Nesta época pré-balnear também não vai haver maluquinhos na praia a serem levados pelas ondas sem nadadores- salvadores para acudir, ou seja menos mortes.

Friamente...                                                     Ao fim de 2 semanas, quem não estará a pensar mal da sua vida,  por não estar a aguentar as 4 paredes lá de casa, ou a/as pessoa/as com quem está confinado lá dentro? Aí é que vai haver riscos, porque vai ser uma autêntica prova de resistência, um verdadeiro teste à paciência de cada um. 

Não tão friamente...                                    Esta semana, quando vi o programa Prós e Contras, se já tremia, a tremer fiquei ainda mais. Querendo algo que me tirasse a sensação com que tinha ficado, fui ver uma reportagem da Cinemateca Portuguesa  (foi pior a emenda do que o soneto),  as eleições de 1976, a temperatura de Portugal a seguir ao 25 de Abril, os comícios cheios de gente, quase uns em cima dos outros tal a euforia que se vivia na altura, e foi aí que fiquei em choque. Percebi que aquelas imagens hoje são inimagináveis,  e que tão depressa não vão acontecer nem parecidas. Os teatros, os cinemas, os espectáculos,  jogos de futebol cheios de gente, uma jantarada de amigos, uma reunião de família a rir e a conviver...não nos próximos tempos, e já tenho tantas saudades. Eu sabia que isto de friamente era treta!

Valha-nos a limpeza a nível ambiental, que está a acontecer no nosso planeta. Mas, se o pagamento por tal trabalho é este, não sei não...

Enfim, acho que tenho que me ir habituando às lágrimas que todas as manhãs me visitam, quando me lembro da situação que estamos a viver. Enquanto não puder beijar e abraçar os meus filhos e netos, duvido que as minhas manhãs vão ser diferentes. Não era para dizer isto mas, já disse. Cuidem-se, por favor. Beijinhos e abraços!!!!!

6135fd61b4fb41a8448cb03bb33f55d4.jpg